Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Olhar o Horizonte...

Olhar o Horizonte...

E no momento tudo se "apaga" na mente

Abril 24, 2019

Esta minha luta contra o cancro está a entrar numa fase importante, pois aproxima-se a cirurgia. Já tive a dita consulta acerca da cirurgia, na qual a minha irmã também entrou e fez imensas questões à médica sobre o meu cancro, e eu como que apaguei e não fiz nenhuma das questões que tinha em mente. Já não é a primeira vez que me acontece; apago por completo, entro num momento "vazio", que nem sei bem explicar. É como que parar no tempo, desligar o botão e apenas olhar para as pessoas. Depois volto a ligar o botão e ouço a médica a falar no "sentinela" da axila esquerda (o cancro está na mama direita, e o gânglios malignos na axila direita), que se não estiver afetado fica, e caso esteja afetado tem de ser retirado, sendo que quem vai ditar o seu retirar é o exame que tenho de ir fazer a Leiria, nomeadamente um contraste que será feito também na mama esquerda.

Como já o aqui disse, julgo eu, já que de memória, ultimamente, não tenho andado muito bem, vão-me ser retiradas as duas mamas. Solicitei apoio psicológico à médica, pois para mim esta será a pior parte. Por muito que as minhas amigas me digam na brincadeira que depois vou ficar com umas mamas fantásticas, só o facto de me olhar ao espelho assusta. Inicialmente vão-me colocar apenas expansores, pois há a possibilidade de radioterapia, além de que poderei de ter de continuar a quimioterapia, mas em comprimidos.

O retirar das duas mamas é bom para mim, pois não quero que me reapareça na outra mama. Mas nunca mais serei a mesma. Nunca mais vou voltar a ter a força que tinha nos braços, e não sei, enquanto voluntária dos bombeiros, se vou poder desempenhar todas as tarefas. Esta é uma das várias questões que tenho para colocar ao médico. Terei a consulta com o cirurgião plástico na próxima semana, e desta vez vou levar uma folha com as questões, caso me dê outro "apagão".

 

Eu dou por mim, muitas vezes, a abastrair-me, mas sem pensar em nada; algo que nunca na minha vida tinha acontecido.

Estou mais distraída; esqueço-me onde coloquei as coisas, ou simplesmente esqueço-me delas em outro local sem ser em casa!

Há quem diga que a quimioterapia pode atingir a parte cognitiva, e acho que foi o que me aconteceu. Estou mais lenta a entender as coisas; esqueço-me de muitos pormenores com facilidade, em especial quando necessito deles num momento exato, e depois só me lembro quando não é necessário.

 

A cirurgia será de 3 horas; 3 horas que estarei a dormir; 3 horas que me assustam um bocadinho porque nunca passei por esta situação, e o desconhecido dá sempre algum receio. Farto-me de ver séries de emergência médica, mas desta vez não é ficção, é realidade!

Eternamente na casa dos pais!

Abril 22, 2019

Os jovens saem cada vez mais tarde de casa dos pais, em Portugal, e existem várias explicações para tal atitude. Uma delas é  o facto de muitos jovens não quererem qualquer emprego ou simplesmente não gostarem de trabalhar, e se terem acomodado, pois têm tudo o que precisam em casa dos pais. E por isso, ser cada vez mais recorrente encontrarmos jovens com 22 ou 25 anos que já não estudam, e que nunca tenham trabalhado na vida! Os pais continuam a sustentá-los, e estes sentem-se muito bem em casa sem fazer nada! Neste caso, os pais devem insistir para que os filhos, pelo menos, trabalhem, para poder ganhar para as suas próprias despesas, nomeadamente saídas à noite e viagens...

 

Depois há o problema dos muito baixos ordenados. O ordenado mínimo foi banalizado, e muitos licenciados, mesmo exercendo a profissão para a qual estudaram auferem deste vencimento (eu faço parte deste grupo, se bem que agora me encontro de baixa, e pretendo abandonar aquilo que gosto de fazer por outra profissão que também gosto!). Obviamente que auferir deste vencimento e viver em cidades como Lisboa e Porto é impossível ser-se independente já que as rendas são exorbitantes; por exemplo um T0 pode ser arrendado pelo valor do ordenado mínimo!

 

Também há licenciados que não querem outra profissão senão aquela para que estudaram. Assim, a espera pode ser de anos, até conseguir entrar no mercado de trabalho. Na minha opinião há aqui falta de humildade, até porque todas as profissões são importantes!

 

E ainda existem aqueles e aquelas que têm mais de 30 ou 40 anos que continuam na casa dos pais, pois assim não têm de se preocupar com despesas...Imaginem 3 filhos, dois de 34 e outro de 41 anos, que continuam na casa dos pais! O local onde vivem, as rendas não são caras, estes auferem mais do que o ordenado mínimo, mas o viver sozinho implicaria a redução das viagens ao estrangeiro, entre outras mordomias, que não conseguiriam se tivessem a sua própria casa. Espero ao menos que ajudem nas despesas lá de casa; coitados dos pais!

 

O Governo gaba-se do desemprego ter descido; até pode ter descido, mas os vencimentos são muito baixos! Irrita-me profundamente ouvir os políticos dizer que o nosso país está muito melhor, quando se descobrem as trafulhices na banca, e quem vai assumir as responsabilidades são os contribuintes!

E é estranho como num país que se diz estar melhor, e ver-mos os ricos a ficarem cada vez mais ricos, e os pobres cada vez mais pobres! Estranho, não é...

 

E outra coisa que me irrita nos políticos neste país, é que só existe preocupação pelo bem-estar dos funcionários públicos! Nunca os ouvi falar com a mesma preocupação para a maioria da população, que não trabalha no público...

Nem sei em quem hei-de votar nas próximas legislativas, já que não gosto de nenhum partido nem dos políticos que estão à frente de cada partido.

Adoro esta foto ❤

Abril 20, 2019

USER_SCOPED_TEMP_DATA_MSGR_PHOTO_FOR_UPLOAD_155569

Nesta foto estou eu e a minha sobrinha. Estivemos ontem numa sessão fotográfica deveras original.

Se os fotógrafos mais famosos vêem esta foto, vão solicitar-nos que sejamos os seus modelos, nos trabalhos! 😂

Ficámos tão giras. 😊❤

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D